O que Adianta Ganhar o Mundo e perder a Alma?

O que Adianta Ganhar o Mundo e perder a Alma?

O mundo já sofreu a várias pandemias, como a peste Justiniano, peste Negra, gripe Russa, gripe Espanhola, e hoje todos sofrem de Covid-19, todas estas pragas ceifaram vidas inocentes, sociedade do mundo inteiro foi destruída pela fúria avassaladora delas.

O Sars- CoV- 2, é a pandemia deste século, e em tempos de Pandemia, o mundo não só está convulsionando fisicamente como também emocionalmente. Pessoas padecem por falta de amor ao próximo, por egoísmo, por desconscientização, por ideologia religiosa, política ou moral.

No Brasil são mais de 130 mil pessoas vítimas do novo coronavírus, e o que dizer para as famílias que perderam seus entes queridos?…

Particularmente, sinto que a morte não assusta mais as pessoas, acabou a sensibilidade delas, por culpa da Covid-19? NÃO, por um fim provocado por falta de amor ao próximo, o egoísmo está preenchendo os corações perversos da humanidade, enquanto que o novo coronavírus é eliminado com higiene das mãos, e cuidados com o uso da máscara, ela também é letal exponencialmente sem os cuidados sanitários, mas se cada um fizer a sua parte cuidando da higiene básica para diminuir a propagação do vírus, estará praticando o ato de amor a si mesmo e ao próximo.

Mas o vírus egoístico, não é eliminado tão simples como, o Sars-Cov-2, ele é tão letal como o covid-19, parando muitos corações, levando pessoas a somatizarem doenças psicológicas, cujo remédio contra ele, seria o poder de auto construção.

Para conter o vírus do opróbrio faz se necessário o uso da compaixão, e a prática dele, vale-se os ensinamentos do sábio mestre, amar o próximo como a si mesmo, eis um dos mandamentos da vida. Se eu não me amo, não posso amar o próximo.

Amar a si mesmo, não é egoísmo, mas sim praticar caridade. Segundo o apóstolo Paulo na sua carta ao povo de Corinto, ele adverte que o amor não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal. 1 Coríntios 13:5.

Naquela época, Corinto era um rico centro comercial, abrigando uma população cosmopolita, graças ao seu porto, que realizava um lucrativo comércio com a Ásia.

Mesmo em tempos de Pandemia, para muitos empresários, cidadãos, vale-se muito mais a economia aquecida do que alma do outro, e como consequência dessa ganância, da desumanidade, do vírus do abuso de poder, registram-se a morte de milhares de pessoas dessa praga, infelizmente encarada tão naturalmente, como viver.

Mas do que adianta querer ganhar o mundo, e perder a Alma? Portanto esta pandemia é o tempo para a evolução dela , uma oportunidade de podermos ser seres melhores, ganhar vida.

O novo coronavírus, veio pra mostrar quem realmente são as pessoas, muitas máscaras estão caindo, a prática do bem está se esfriando, que a maldade ⁰está fazendo parte cada dia mais na vida das pessoas, e por causa do distanciamento social as mulheres estão mais vulneráveis dos seus companheiros, muitas delas sendo vítimas de feminicídio, com a avanço da tecnologia, muitas crianças estão sendo expostas pelo mundo virtual, geralmente elas ficam na companhia da internet, e por falta de supervisão de um adulto são ludibriadas por pedófilos, sendo vítimas fatais deles.

Outras, são molestadas por membros sem escrúpulos da sua própria família, e o que dizer para cada vítima? Simplesmente nada…pois o sábio fala em silêncio, se compadece da tristeza alheia, doando um pouco da sua compreensão, sem julgamentos, dá lhe a mão como pode, dentro de cada realidade.

Sabe-se que cada uma delas, são seres em construção mas que por maldade humana, interrompem sua essência, carregando mágoas e enchendo seus olhos de lágrimas de decepção, traição, e humilhação. Vivemos num cenário em que muitos chefes de família perderam seus empregos, famílias ficando a mercê da solidariedade do próximo.

Mas que próximo? Graças a anjos da esperança temos uma pequena porção de amor que resta na humanidade, são pessoas que fazem o bem sem ver a quem. Essas pessoas são raras como uma agulha no palheiro, sei que elas existem, pois se não as existissem, poderia dizer que a humanidade estaria afundada no seu próprio egoísmo.

Mas como diz um velho ditado: “uma andorinha não faz verão”, portanto abramos a janela do coração, para que os raios da esperança preencha a escuridão da alma, que muitas vezes estamos sendo tragados por ele, sem mesmo dar conta do estado o qual encontramos. Que hoje seja um dia melhor que ontem. Menos 130 mil de impiedade, mais 130 mil de oração.

Katia Kuramoto

Katia Kuramoto

Servidora Pública nas redes Municipal e Estadual de Educação de SP. Formada em Pedagogia e Letras, aprecia leituras sobre Sociologia, Filosofia, Psicanálise, e obras relacionadas a crenças e espiritualidade, do comportamento do ser humano. Seu hobby é escrever, geralmente suas obras referem-se a investigação da alma, e as inquietações da humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *