Donald Trump “cai fora” do acordo climático mundial

Donald Trump “cai fora” do acordo climático mundial

O presidente Donald Trump proclamou na quinta-feira que ele estava retirando os EUA do acordo climático de Paris, um passo negativo mundialmente mas que cumpre uma promessa de campanha, indo em direção contrária ao cenário mundial que mantem os esforços globais para conter o aquecimento global.

Falando da Casa Branca, Trump disse que estava aberto a renegociar aspectos do acordo que foi assinado sob seu antecessor. Mas não afirmou quais pontos eram esses.

“Até onde a América é diminuída nesse acordo? Em que ponto eles começam a rir de nós como um país?” perguntou Trump durante um evento realizado no Rose Gardem em um dia ensolarado.

“Queremos um tratamento justo”, disse Trump. “Nós não queremos que outros países e outros líderes riam de nós mais”.

A infelizmente a decisão tresloucada desse chefe de estado foi totalmente contrário ao esforço mundial que pressionavam para que se mantivesse a parte dos Estados Unidos no acordo, lembrando que 195 países assinaram e mantinham unanimidade em manter o pacto. Líderes estrangeiros, executivos de negócios e a própria filha de Trump, Ivanka, pressionaram fortemente para que ele continuasse a favor do acordo.

Trump, que governou com uma política “americanos primeiro“, disse na quinta-feira que estava realizando a vontade dos eleitores que o elegeram para um trabalho na Casa Branca.

“Eu fui eleito pelos cidadãos de Pittsburgh”, disse Trump, “não pelos cidadãos de Paris”.

A incerteza surgiu

O anúncio de Trump termina na quinta-feira meses de especulações sobre suas intenções. A incerteza sobre a decisão de Trump trouxe um cenário ao Rose Garden uma certa expectativa de reality show no transmitido ao vivo. Coisa de personagens fanfarrões que necessitam de holofotes em suas vidas medíocres.

A atmosfera do show foi alimentada pela presença de uma banda de jazz, que realizou uma série de números antes que Trump surgisse do Oval Office para entregar sua declaração.

O anúncio concluiu uma longa e amarga disputa entre os assessores da Ala Oeste para influenciar o pensamento de Trump. Ivanka Trump trabalhou para garantir que seu pai ouvisse vozes pró-Paris ao longo dos últimos meses, e mesmo nos últimos dias continuou pressionando por uma decisão sem uma retirada total.

Infelizmente o retrocesso faz parte da natureza humana de governantes de grandes países. O ruim é ser um presidente de primeiro mundo, mas que se comporta como governantes de terceiro mundo.

Richard Valdivia

Richard Valdivia

Mestre pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). É editor e redator desde 2014 de diversos canais na internet. Entusiasta de novas tecnologias, mídias sociais e empreendedor digital. Nômade Digital na prática, está sempre em busca de novos desafios, como programar para plataformas emergentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *