Brasileira pode ser deportada por agressão a homem que usava boné com slogan campanha de Donald Trump

Brasileira pode ser deportada por agressão a homem que usava boné com slogan campanha de Donald Trump

Em 26 de fevereiro jornais americanos já estampavam matéria sobre brasileira que estava em processo de deportação por agressão a um homem que usava de boné do MAGA.

Em video publicado nas redes sociais e nos principais jornais dos Estados Unidos, uma mulher brasileira é acusada de agressão a cidadão americano hostilizando-o quando ele entra em um local público para comer.

Clique aqui e veja o vídeo publicado no site do YouTube pela agencia de notícias ABC13 Houston ou no fim do texto.

Conforme mostrado no vídeo o homem identificado como Bryton Turner, de forma muito calma começou a gravação a partir de seu celular. Ainda no video aparece a brasileira tirando da cabeça do americano o boné com o texto Make America Greath Again, slogan esse usado por Donald Trump em sua campanha eleitoral.

O video foi apresentado para a policia logo após o incidente. Turner, em tom de desabafo comenta no video: “É por causa de pessoas assim…”. Nas redes sociais a mulher foi hostilizada com comentários como “That’s awesome. She made America greath again on her own – Fantástico. Ela tornou a América ótima novamente por conta própria” e “Well some people call that Karma  should’ve left the kid alone he wasn’t bothering you – Bem, algumas pessoas chamam isso de Karma – deveria ter deixado o garoto sozinho, ele não estava incomodando você“. Outros americanos em tom mais forte disseram “Build the wall … no wonder she was so mad – Construa o muro… não é de admirar que ela estivesse tão brava“.

Na abordagem dos policiais foi perguntado ao dono do estabelecimento se ele (Bryton Turner) tinha feito alguma coisa à ela. O rapaz inquirido respondeu: “Ele havia acabado de entrar e feito seu pedido”.

A brasileira, que não iremos divulgar o nome, pois até essa data não há uma conclusão do Departamento de Imigração Americano sobre a deportação, estava ilegalmente nos Estados Unidos desde 1994. Segundo informações ela já tinha tido problemas relacionado a agressão na comunidade em que vivia.

Infelizmente os imigrantes ainda não aprenderam a lição. Entram em um país estrangeiro, acreditam que podem fazer tudo e que nada vai acontecer ou acham que como no Brasil as leis permitem uma margem de interpretação fazendo com que processos demorem longos anos e até se extingam com o tempo.

O que torna os Estados Unidos tão diferenciado é justamente a velocidade com que as questões importantes são tratadas. A lei funciona. Se você fez algo errado, você pagará pelo seu erro. Não tem discussão e não deixam para amanhã.

Imigrantes ainda precisam aprender que estão em um local que não lhes pertence. E que nem sempre são bem vindos. É como ser chamado para a festa do amigo de um amigo. Então o convidado derrama vinho no sofá, fala o que não deve e ainda clama para que a lei esteja ao seu lado. A falta de bom senso ainda é uma tônica.

A dica é: limpe os pés antes de entrar no país dos outros. Siga as regras deles e não as suas. Você é apenas um convidado que se não se comportar poderá ser posto pra fora da festa a qualquer hora.

Richard Valdivia

Richard Valdivia

Mestre pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). É editor e redator desde 2014 de diversos canais na internet. Entusiasta de novas tecnologias, mídias sociais e empreendedor digital. Nômade Digital na prática, está sempre em busca de novos desafios, como programar para plataformas emergentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *